domingo, 20 de dezembro de 2015

Duas mulheres, duas artistas, uma saudade

 p/ Selma Reis e Nilce Eiko

Ontem partiram duas mulheres cujos trabalhos estão entremeados à minha vida com doses especiais de afeto.

Nilce, nossa querida Eiko, uma artista sensível, que tive o prazer de conhecer numa sala de aula, eu, no papel de professora, ela, no papel de estudante, inquietas, ambas, aprendendo juntas.

Selma Reis, que não conheci pessoalmente. Apesar de não acompanhar amiúde seu trajeto como artista, saber de sua morte foi como ter apagada a voz que, em música, marcou partes da minha vida de modo indelével. Estranho sentimento...

Pela memória de Nilce, disponibilizo um vídeo com a música “Meu veneno”, de Milton Nascimento e Ferreira Gullar, cantada por Selma Reis.

video
vídeo disponível aqui


Pela memória de Selma Reis, cantora e atriz, disponibilizo uma imagem do trabalho de Nilce Eiko Hanashiro.



Porque a vida é finita, e finda, e somos frágeis, e estamos apenas de passagem...




             






segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Um estranho animal...

Foto: Gabriel Chaim
disponível em http://www.gabrielchaim.com/ 




Que animal estranho é esse, da espécie autorreferida como humana...

Constrói aparatos, complexas estruturas, geringonças de complicado funcionamento. Procria, ampliando a população em progressão geométrica. Destrói e mata ainda com mais velocidade. Destrói a si mesmo, aos próprios aparatos e estruturas. Mata representantes da própria espécie. Mas também mata e destrói animais de outras espécies, seus aparatos, suas construções.

E é capaz de sentar-se, em meio aos escombros, com olhar altivo, pleno de orgulho por seus feitos.

Esse animal me inspira medo...